Sistema Eléctrico (Parte II – Sistema Eléctrico e Faróis de Xenon)

O sistema eléctrico é constituído por uma fonte de energia, o alternador, um acumulador (normalmente denominado de bateria), a cablagem que distribui a energia, e finalmente, os equipamentos.

O motor (ao girar) acciona, através de uma correia, o alternador, que gera energia para abastecer o sistema (12V).

A bateria recebe a energia do alternador, acumulando-a, e estabiliza a tensão no circuito.

A cablagem encarrega-se do abastecimento e comutação de equipamentos.

O sistema eléctrico começa agora a sofrer alterações profundas, tanto a nível de constituição como da tensão de trabalho.

 

Faróis de Xenon

A tecnologia de faróis de Xenon tem-se difundido bastante.

 

 

Neste tipo de faróis, a lâmpada de incandescência é substituída por uma lâmpada de descarga de elevada tensão. Assim, ao invés de um filamento que fica incandescente quando percorrido por uma tensão, dentro da lâmpada existe uma mistura de gases - nomeadamente Mercúrio e Xenon. A luz emitida deriva do facto de, ao excitarem-se os gases com a tensão, estes formam um arco voltaico responsável pela emissão dos fotões (partículas de luz).

Para iniciar o funcionamento de uma lâmpada deste tipo é necessário uma voltagem extremamente elevada, na ordem dos 18.000~30.000 V. É principalmente por esta razão que não se pode instalar este tipo de lâmpadas em qualquer veículo – sendo necessário um sistema eléctrico específico.

Os faróis de Xenon têm a vantagem de conseguir produzir uma luz mais intensa, beneficiando nitidamente a visibilidade em condução nocturna. No entanto, devido a essa maior intensidade, se desregulados, o encandeamento é muito maior.

Para colmatar esta lacuna, todos os veículos equipados com faróis de Xenon de origem têm um sistema de auto-nivelamento, que compensa a inclinação do veículo (com uma regulação semelhante ao modo manual, mas, neste caso, automática.