Segurança Passiva

A lógica de funcionamento da segurança passiva é muito simples de entender.

Em primeiro lugar, o que é a segurança passiva?

É o conjunto de todos os órgãos do veículo que actuam em defesa dos ocupantes quando ocorre um acidente.

O que é que temos num veículo como órgãos da segurança passiva?

  • os airbags - para proteger os ocupantes após um embate.
  • as barras de protecção nas portas - para evitar a intrusão da carroçaria em caso de um violento embate lateral, protegendo a parte lateral do corpo dos ocupantes.
  • os pré-tensores dos cintos de segurança, para "puxar" os ocupantes para trás durante um embate frontal.
  • as zonas de deformação programada da carroçaria - para absorver o impacto.
  • encostos de cabeça activos - para evitar lesões cervicais em embates traseiros.

 ... entre outros dispositivos de pormenor que cada marca ou construtor adopta individualmente. 

 

As carroçarias dos automóveis mais antigos eram concebidas em chapas de aço muito duras e espessas. Quando ocorriam acidentes, os veículos ficavam pouco danificados, mas os ocupantes saíam de lá como se tivessem levado "um ensaio de pancadaria" - devido à inércia gerada no embate.

Devida à crise do petróleo nos anos 70 e à consequente preocupação com a redução de consumo dos automóveis, o peso dos veículos foi gradual e acentuadamente reduzido.

 

É preciso também não esquecer que, durante esta evolução, os veículos ligeiros de passageiros deixaram de ter chassis tradicional com longarinas para usarem sistemas auto-portantes (a carroçaria forma toda a estrutura do veículo alojando grupo propulsor e suspensão). Esta modificação obriga também a uma maior preocupação com os factores de segurança.

Com a evolução dos tempos, os construtores rapidamente se aperceberam que a defesa dos ocupantes não se consegue utilizando chapas duras. Pelo contrário, a flexibilidade dos aços empregues nas carroçarias são um garante para evitar a sua intrusão no interior do habitáculo.

 

No entanto, para atingir este objectivo, é necessário prever como vão deformar-se os componentes da carroçaria durante um embate.

 

Foi assim que surgiu esta tecnologia de Zonas de Deformação Programada.

 

O objectivo é garantir que, durante um embate, o aço dos painéis da carroçaria se deforme de forma controlada, absorvendo o mais possível a energia gerada pelo choque, de modo a não deixar passar essa energia para os ocupantes e, simultaneamente, evitando a todo o custo que a célula interior do veículo reduza o seu volume - deixando espaço crítico para a sobrevivência (célula de sobrevivência) das pessoas.

 

 

 

 

 

 

Como funcionam coordenadamente os órgãos de Segurança Passiva?

1 - Dá-se o embate - PHUUUMM! (0 milisegundos)

2 - Os sensores dos airbags medem a desaceleração do veículo e, caso atinja um valor que possa pôr em perigo a integridade dos ocupantes, é dada ordem para insuflação do Airbag e disparo dos pré-tensores (30 ms).

3 - Os pré-tensor limita a tendência que o corpo do ocupante apresenta para ser projectado, enquanto o Airbag enche (50 ms).

4 – O ocupante, embate no Airbag, encontrando-se este já na fase de descarga do gás, produzindo desta forma o amortecimento (85 ms).

5 - O ocupante volta a ocupar a posição no banco e os Airbagas encontram-se vazios e inutilizados (150 ms).