Segurança Activa

Contrariamente ao que acontece na segurança passiva, órgãos de segurança activa são todos aqueles que contribuem para evitar o acidente.

 

  • a performance do motor - para podermos ultrapassar mais rápido e em segurança.
  • a suspensão do veículo - de modo a tornar fácil a condução e poder perdoar alguns erros do condutor ou evitar o descontrolo da viatura em situações inesperadas.
  • os sistemas de ajuda à condução - ABS, Distribuidor Electrónico de Travagem, Controlo de Tracção, Controlo de Estabilidade, etc...

 

Quer isto dizer que o apuro dinâmico de um veículo (capacidade de acelerar bem, curvar bem e travar num curto espaço) é o primeiro passo para aumentar o nível de segurança activa.

Adicionalmente, estão a surgir no mercado um conjunto de tecnologias que potenciam a acção humana ou evitam os erros de condução.

 

Vejamos alguns exemplos:

 

ABS e ABS diferencial

Do ABS já falámos nos artigos de travagem.

Aproveito só para reforçar que existem ainda alguns veículos todo-o-terreno com um tipo específico de ABS.

Em adição ao sistema convencional, existe um sensor de desaceleração (denominado sensor G) que mede a desaceleração efectuada numa travagem.

Quando efectuamos uma travagem em asfalto, como o piso é mais abrasivo, o veículo tem uma maior desaceleração e o módulo do ABS é previamente informado para adaptar a eficácia de travagem a estas circunstâncias de circulação.

Alternativamente, quando passamos para condução TT (fora de estrada - terra, lama, areia, etc ...), devido ao menor atrito (maior escorregamento), durante o processo de travagem o sensor G detecta desacelerações menores, dando essa informação ao módulo de ABS para que este adapte as capacidades de travagem do veículo.

 

Distribuidor Electrónico de Travagem

Deste órgão de segurança activa já falámos também nos artigos de travagem.

Resta só acrescentar que podem ser de dois tipos: actuando na distribuição de travagem eixo a eixo ou roda a roda. Quer isto dizer que podem gerir a distribuição de travagem entre o eixo da frente e o eixo traseiro do veículo ou controlando a força de travagem individualmente em cada uma das 4 rodas do veículo - claro que o último caso é o mais sofisticado, eficaz e bem-vindo para o condutor.