Airbags e Pré-Tensores

O Airbag é um sistema de segurança passiva constituído por um saco em tecido reforçado e um sistema de deflagração.

 

Como funciona?

Em caso de impacto, um conjunto de sensores envia sinais para a central electrónica de controlo do sistema. Se esta detectar que o impacto é frontal (ou até um limite de desvio de aproximadamente 30º), compara os valores provenientes dos sensores com valores previamente memorizados. Esta comparação informa o sistema se o embate é suficientemente violento para que seja necessário deflagrar o Airbag frontal.

Uma análise equivalente é feita para o caso dos airbags laterais e de cabeça, mas neste caso em relação a impactos laterais.

Quando a central dá o impulso para a deflagração, inicia-se uma reacção química que liberta um gás, com o qual se insuflam os Airbags. Existe um pó que é libertado pelo Airbag, cuja função é garantir que o saco não fica ressequido, abrindo sempre de modo correcto.

A deflagração do Airbag demora milissegundos (o Airbag enche a cerca de 300Km/h), de modo a que antes que o corpo do ocupante atingir uma zona rígida (painel ou volante, por exemplo), o mesmo encontre o saco não completamente cheio, mas já na fase de descarga, amortecendo assim o impacto.

A descarga (vazamento) faz-se por orifícios localizados na zona posterior do airbag.

Em veículos mais recentes existem sistemas de dupla fase que, consoante a violência do impacto seja maior ou menor, abrem os airbags mais ou menos rapidamente de modo a que a protecção seja quase perfeita.

Existem ainda sistemas que identificam se o ocupante está no banco, ou qual o seu peso, de modo a detectar se se trata de um adulto ou de uma criança, activando ou não o mecanismo de deflagação do airbag.

Convém não esquecer que o airbag não substitui o cinto de segurança e que não deve sentar-se (num lugar com airbag frontal) um ocupante de estatura inferior a 1,40m.

Associado ao Airbag existem também os cintos de segurança com pré-tensores e limitadores de esforço.

O pré-tensor é um componente, que através de um carga pirotécnica obriga, no momento do embate, o cinto de segurança a recolher entre 5 a 10 cms. Deste modo, retira-se a folga natural do cinto de segurança, maximizando o esforço de sujeição que este realiza sobre o ocupante.

Para que o esforço não seja também demasiado elevado, numa segunda fase actuam os limitadores de esforço que aliviam ligeiramente as forças de desaceleração na zona do tórax e cabeça. Nesta fase, já os Airbags estão completamente cheios e o ocupante não corre o risco de embater em zonas rígidas.