Aerodinâmica Parte III - Arrasto

 A característica aerodinâmica que normalmente é realçada nas características técnicas dos automóveis é o CX. Este valor é também denominado por coeficiente de arrasto ou coeficiente de penetração e fornece uma medida da perturbação do ar com a passagem do veículo. Deste modo, quanto menor for este coeficiente, mais eficiente é o veículo do ponto de vista da aerodinâmica.

O menor valor que existe é o de um corpo modelado pelo próprio ar durante o seu deslocamento: uma gota de água (Cx=0,05). Os veículos de passageiros possuem (hoje em dia) valores de CX em volta de 30.

Também de importância fundamental é o valor da superfície frontal (S), isto é, a área que avança de encontro à massa de ar.

A resistência ao avanço (arrasto) é dada pela seguinte equação:

 

R=K.S.Cx.V^2

 

R - Valor do arrasto

 

K - Constante que depende da massa de ar (logo das condições de temperatura e pressão)

 

S - Superfície frontal

 

CX - Coeficiente de arrasto

 

V - Velocidade do veículo

 

Como se pode verificar, não é só o valor do CX que influencia o arrasto, sendo também importante o valor da superfície. De notar também que o valor da velocidade do veículo é exponenciado no valor de arrasto, isto é, o arrasto não varia linearmente com a velocidade.

 

Um dos elementos que influencia o coeficiente de arrasto são as zonas de turbulência.

Devido ao descolar do fluído (ar) em relação ao corpo do veículo (formando turbilhão por cima da zona da mala), os carros de três volumes têm normalmente coeficientes de arrasto piores do que os de dois volumes.

No caso dos dois volumes, principalmente coupés (fastback), como a passagem do fluído (ar) sofre muito menos turbulência, apresentam normalmente melhor aerodinâmica.