Inovações Tecnológicas (Parte V - Células de Combustível 1)

 

A célula de combustível é uma unidade de conversão energética electroquímica, que converte hidrogénio e oxigénio em energia, calor e vapor de água.

Os veículos que circulam com células de energia necessitam de oxigénio e hidrogénio. Se o primeiro está disponível em qualquer momento, já o hidrogénio coloca grandes problemas na distribuição e armazenamento do mesmo.

Para contornar este problema, os primeiros veículos de estudo das células de combustível, que continham depósitos de hidrogénio, têm vindo a dar lugar aos veículos com um reformador de Metanol.

 

O que faz o reformador de Metanol?

Como já se viu, o hidrogénio puro não é uma alternativa viável. Então o que se pode fazer é utilizar um combustível rico em hidrogénio e, a partir dele, retirá-lo.

É exactamente essa a função do reformador de Metanol. O Metanol entra no reformador juntamente com água e começam por ser vaporizados. Através de catálise, os seus componentes básicos são separados.

O Metanol tem a fórmula química CH3OH e no reformador ocorre o processo:

CH3OH=> CO + 2H2

2H20=>2H2+O2

Como se pode verificar, obtem-se não só o Hidrogénio pretendido, como também monóxido de carbono, um gás tóxico. O vapor de água dissocia-se em hidrogénio e oxigénio.

O oxigénio combina-se com o monóxido de carbono gerando dióxido de carbono, que apesar de ser um gás que contribui para o efeito de estufa, não é tóxico.

O hidrogénio é conduzido para a célula de combustível.

H2O+CO=>CO2+H2

Para além do metanol, pode-se também utilizar o gás natural (CH4).

Todas as reacções se dão de forma semelhante:

CH4 + H2O => CO + 3H2

2H2O => O2 + 2H2

H2O + CO => CO2 + H2