Condução em Segurança (Parte IV - Apoio do Corpo na Condução)

Durante a condução, devemos ter o pé esquerdo apoiado no piso (chão) do veículo, à esquerda do pedal de embraiagem.

É este pé que sustenta o peso do corpo durante as manobras. O pé esquerdo só sai desta zona para pressionar a embraiagem durante as passagens de caixa, voltando de imediato à sua posição de repouso.

 

 

Com este comportamento vai conseguir ainda garantir uma elevada longevidade dos órgãos que constituem a embraiagem. As pessoas que têm o hábito de conduzir com o pé na embraiagem, desgastam-na rapidamente. Por muito pouco que nos pareça o peso do nosso pé em cima do pedal de embraiagem, vai obrigar a que o disco trabalhe com escorregamento - aquecendo e desgastando-se rapidamente.

Como os pedais têm uma grande desmultiplicação de esforço (o esforço que nós fazemos é multiplicado várias vezes para não nos cansarmos nas manobras com os pedais), qualquer peso aparentemente insignificante no pedal de embraiagem, significa uma elevada força neste órgão, desligando parcialmente o disco do volante do motor (rever princípio de funcionamento da embraiagem).

 

 

Como consequência, o disco não aplica toda a sua aderência durante a aceleração do veículo - permanecendo sempre com um ligeiro escorregamento.

Já agora, aproveito para desaconselhá-lo(a) de abusar dos chamados "pontos de embraiagem" - manobra de sustentação do peso do carro durante os arranques nas subidas. Sempre que possível, auxilie a manobra com o travão de mão (excepto nos casos de subidas/declives pouco acentuados em que a embraiagem não sofra muito com o peso do veículo, ou nos casos em que a manobra é muito rápida, logo, pouco desgastante).

 

Embora muitas pessoas acreditem que os bons condutores são aqueles que fazem muitos e bons pontos de embraiagem, isso é totalmente falso. Deve-se saber executar a manobra, mas evitá-la a todo o custo - caso contrário, é na factura de oficina que pagamos caro estes erros.