Condução em Segurança (Parte VII - A Estrada)

O veículo e a estrada são como um casal. Basta um estar mal disposto, para que não se chegue a lado nenhum...

 

Ela pode até estar lisa, sedosa e aderente, mas a ele não lhe apetece acelerar, ... hummm, nada feito!!!

 

Pelo contrário, ele pode estar cheio de vontade de acelerar, mas se ela não colabora... hummmm!!! Nãaaaooo! Não vai dar...

 

É aqui que eles aproveitam para dizer: A culpa é dela! A culpa é dela!

 

Bom!!! É o que eu digo ... mais uma destas e põe-me um processo em cima...

 

Vamos lá!!!

 

Porque é que só quando ele e ela estão em condições, a condução é segura....? (juro que esta não foi com intenção ...!!!)

 

Imagine que circula numa zona com muita vegetação - muitas árvores a circundar a estrada. Se assim for, é bem provável que, durante a noite, quando a temperatura baixa, apareça alguma ou muita humidade (independentemente da estação do ano) - dependendo das zonas, obviamente.

 

Basta esta condição para o colocar em imediata situação de perigo. Há-de notar que o seu carro parece flutuar/deslizar na estrada, em vez de lhe transmitir aderência/segurança. Neste caso, há que moderar de imediato o ritmo de andamento.

 

Imagine agora que a estrada é muito irregular - cheia de remendos no asfalto e raízes de árvores introduzidas no subsolo. Se for o caso, quanto mais depressa andar, maior o risco do seu carro se manter instável - vai saltitar imenso e os pneus vão "tocar mal" o chão, perdendo aderência e segurança. Pior ainda se tiver pneus de baixo perfil. Como o pneu é o primeiro elemento da suspensão, quanto mais baixo o perfil, menor o seu volume de ar interior, menor a sua flexibilidade, logo, maior o risco do veículo saltar e perder repentinamente a trajectória desejada.

 

Quando conduz, costuma reparar nas características do traçado?

 

Há estradas sinuosas que parecem perigosas e difíceis de debelar e, por vezes, passados alguns quilómetros, concluímos que apresentam níveis de segurança muito aceitáveis. Contraditoriamente, por vezes, grandes IP´s e Auto-Estradas aparentam ser tapetes largos e presumivelmente fáceis de percorrer, inspirando uma confiança "pouco merecida" nos condutores. Basta a inclinação lateral das curvas ser inversa (como se diz na gíria - ter o relevé ao contrário), serem desmesuradamente prolongadas, ou criarem grande aceleração lateral nos veículos - e o perigo pode espreitar.

 

Conheço pessoas muito bem intencionadas e disciplinadas na sua condução, que já foram surpreendidas por "armadilhas" deste tipo.

 

Para conduzir em segurança não basta ter um bom veículo e um bom condutor. É preciso ler as condições que as vias nos oferecem!!!