Condução em Segurança (Parte VIII - O Tráfego Existente Durante a Condução)

 

A lei prevê as velocidades máximas permitidas conforme o tipo de vias.

 

Mas a lei não prevê:

  • a intensidade do tráfego
  • as condições climatéricas
  • as características dos veículos e sua capacidade de reacção
  • os diferentes tipos de pisos/asfalto
  • o traçado da via

 

Devo dizer-lhe que, nalguns locais, até a velocidade permitida por lei é demasiado para as condições de circulação.

E se eu lhe disser que um veículo a 100 km/h precisa (em média) de mais de 30 metros para travar ...

Pior ainda se o veículo tiver uma idade avançada, manutenção inadequada (suspensões e pneus desgastados)... ou se o condutor estiver sujeito a uma grande pressão climatérica (temperaturas altas, por exemplo) reagindo muito mais lentamente nestas situações.

Um ser humano, em média, reage 0,7 segundos depois de detectar uma situação de emergência.

 

Um pequeno exercício:

Um veículo circula a 100 Km/hora. Fazendo contas, isto equivale a 27,8 metros percorridos por cada segundo que passa.

Como o tempo de reacção médio do ser humano é de 0,7 segundos, isto quer dizer que, entre a constatação de um obstáculo e o início da manobra de travagem, pelo menos 19 metros são percorridos sem qualquer iniciativa defensiva por parte do condutor. A estes 19 metros temos que somar os tais 30 metros que o veículo precisa para travar a uma velocidade de 100 Km/h. Em conclusão, face a um obstáculo repentino, vamos precisar de quase 50 metros para evitar o acidente.

Este exemplo explica-lhe porque é que se dão tantos acidentes graves nas autoestradas, com trânsito a circular "aparentemente devagar", quando alguém trava ou o trânsito pára repentinamente.