Nissan comunica os resultados para o primeiro semestre do seu Ano Fiscal 2017

O Presidente e CEO da Nissan Motor Co., Ltd., Hiroto Saikawa, anunciou os resultados financeiros para os primeiros seis meses do exercício fiscal de 2017, de 1 de abril até 30 de setembro de 2017.

 

Na primeira metade do seu ano fiscal, a Nissan gerou um lucro operacional de 218,8 mil milhões de ienes (1,66 mil milhões de euros) com uma receita líquida de 5,65 biliões de ienes (42,88 mil milhões de euros).

 

Excluindo os custos de itens especiais associados às questões relativas à inspeção final de veículos no Japão e os acordos de ações coletivas nos EUA, os lucros operacionais da primeira metade do ano atingiram os 322,6 mil milhões (2,45 mil milhões de euros), em linha com as expetativas da empresa.

 

No segundo trimestre, excluindo os custos de itens especiais, os lucros operacionais subiram 9,2% para 169,3 mil milhões de ienes (1,28 mil milhões de euros) refletindo o crescimento de vendas em mercados que incluem o Japão e a China, onde a procura aumentou para modelos como os Serena, Note e-POWER, X-Trail e Sylphy.

 

Destaques financeiros da primeira metade do ano

A tabela que se segue resume os resultados financeiros da Nissan durante o período de seis meses até 30 setembro de 2017, calculados sob o método contabilístico de equivalência para o empreendimento conjunto feito pelo Grupo Nissan na China1.

 

Com uma gestão em termos pró-forma, que inclui a consolidação proporcional dos resultados do empreendimento conjunto da Nissan na China1, o lucro operacional foi de 351,1 mil milhões de ienes (2.66 mil milhões de euros), com receitas líquidas de 6,22 biliões de ienes (47,20 mil milhões de euros). 

  

Ienes (mil milhões)

Ano fiscal 2016,

1º semester 3

Ano fiscal 2017,

1º semestre

Evolução (%)

Receitas

5,230.5

5,652.5

+8.1

Lucro Operacional

324.8

281.8

-13.2

Margem Operacional

6.2

5.0

-1.2

Lucro Ordinário

381.9

369.5

-3.2

Rendimento líquido2

278.4

276.5

-0.7

 

Desempenho de vendas

Durante o período de seis meses até 30 de setembro de 2017, as vendas globais da Nissan aumentaram de 4,6% para as 2,73 milhões de unidades. No Japão, as vendas da Nissan aumentaram 34,1% para 283.000 unidades, o equivalente a uma quota de mercado de 11,4%, que reflete um aumento de vendas de miniveículos e veículos de passageiros em geral.

 

Na China, cujos valores são comunicados numa base de ano de calendário, as unidades Nissan vendidas aumentaram 6,7% para 651.000 unidades, o equivalente a uma quota de mercado de 5,2% decorrente de uma forte procura de veículos como os X-Trail e Sylphy.

 

Na Europa, incluindo a Rússia, as vendas da Nissan aumentaram 3,6% para 375.000 unidades, o que resultou numa quota de mercado de 3,8%. Modelos como Qashqai e Micra ajudaram a impulsionar a procura na região.

 

As vendas da Nissan nos EUA diminuíram 0,4% para 779.000 unidades, em comparação com uma redução de 2,1% no total do mercado dos EUA neste período de seis meses.

 

Nos outros mercados, as vendas da Nissan subiram 2,3% para 390.000 unidades, dado que um forte crescimento na América Latina e em África compensou as condições económicas pouco dinâmicas no Médio Oriente, resto da Ásia e Oceânia.

 

Perspetiva até final do ano fiscal

Durante o período de 12 meses que termina a 31 de março de 2018, a empresa reviu em baixa as suas previsões de lucro operacional em 40 mil milhões de ienes (303,58 milhões de euros) para 645 mil milhões de ienes (4.89 mil milhões de euros) para refletir o impacto líquido relativo a questões associadas à inspeção final de veículos no Japão e após ter em consideração outras compensações de eficiência de custos.

 

Como os itens não operacionais e a taxa efetiva de imposto apontam para melhorias em relação à perspetiva anterior, a previsão do rendimento líquido mantém-se inalterada. A Nissan também mantém a sua previsão anteriormente anunciada para a receita líquida de todo o ano.

 

Nissan M.O.V.E. para 2022

Além dos resultados financeiros da primeira metade do ano, foi anunciado o plano a médio prazo da empresa: "Nissan M.O.V.E. para 2022". A missão do plano de seis anos é a de alcançar um crescimento sustentável e liderar em termos de tecnologia e evolução do negócio no setor automóvel.

 

No fim do plano, de acordo com a consolidação proporcional do empreendimento conjunto na China1, a Nissan pretende aumentar as receitas de 12,8 biliões de ienes (97.14 mil milhões de euros) para 16,5 biliões de ienes (125.21 mil milhões de euros), além de gerar 2,5 biliões de ienes (18.97 mil milhões de euros) acumulados em fluxo de caixa livre, com uma margem operacional de 8%.

 

Para apresentações e informações financeiras detalhadas relativas à Nissan consulte: www.nissan-global.com/EN/IR/FINANCIAL/

 

1 Desde o início do ano fiscal de 2013, a Nissan relata valores calculados numa contabilidade de método de equidade para a sua joint venture com a Dong Feng na China. Embora a informação de rendimento líquido permaneça inalterada neste método contabilístico, as declarações de rendimentos na contabilidade de equidade não incluem os resultados de Dong-Feng-Nissan quanto a receitas e lucro operacional.

2 Rendimento líquido atribuível a acionistas da empresa-mãe

3 Excluindo as contribuições de 41% de ações na Calsonic Kansei, alienadas em 2016.