A Inovadora Transit Smart Energy Concept Está a Ajudar a Ford a Encontrar Novas Evoluções no Domínio dos Futuros Veículos Electrificados

A Ford desvendou a nova Transit Smart Energy Concept, uma proposta inédita de um minibus de 10 lugares, que está a ajudar a companhia a explorar soluções com vista à maximização da eficiência energética e autonomia nos futuros veículos electrificados.

 

 

Enquanto um estudo conclui que 40 por cento dos europeus afirmam que o próximo veículo a comprar deverá ser, muito provavelmente, eléctrico, a distância que os condutores podem percorrer com um veículo, com uma simples carga das suas baterias eléctricas, continua a ver-se fortemente condicionada pela utilização dos sistemas de aquecimento nos habitáculos. Pesquisas demonstram que o uso de sistemas de climatização num veículo equipado com baterias eléctricas pode reduzir a autonomia até aos 50 por cento em situações meteorológicas mais frias.

 

Comparativamente aos veículos de transporte de mercadorias, os veículos com múltiplos ocupantes, como os minibuses, requerem uma maior utilização de energia para alcançarem temperaturas confortáveis no habitáculo. Essa energia é fornecida através de uma bateria de elevada voltagem, que apresenta um desafio significativo para a autonomia desse veículo.

 

Demonstrado, pela primeira vez, na recente experiência especial “Go Further” de Amesterdão (Holanda), o estudo Transit Smart Energy Concept, 100 por cento eléctrico e já plenamente operacional, garante uma autonomia de 150 quilómetros a partir de uma carga de 4 horas, permitida por um conjunto de inovações ao nível da poupança e da produção de energia, recorrendo-se, por exemplo, a painéis solares e a sistemas de recuperação de calor, para a alimentação da mecânica.

 

“Com as recorrentes aberturas de portas, numa grande área onde é necessário manter-se temperaturas confortáveis e uma grande zona de carga, um minibus apresenta o maior desafio para com a maximização da autonomia de um veículo a baterias eléctricas, razão pela qual optámos pela nova Transit Smart Energy Concept,” disse Kilian Vas, Líder de Projecto, Arquitectura de Veículos, da Ford Europa “Ao desenvolvermos este concept, encontrámos um leque de modos inteligentes para economizar energia, no que poderá ajudar a melhorar ainda mais a experiência dos clientes com veículos electrificados no futuro.”

 

Desenvolvido por uma equipa de engenheiros do Centro Técnico de Merkenich (Alemanha), da Ford, Transit Smart Energy Concept recorre à mesma tecnologia empregue nas StreetScooter WORK XL, outro projecto de veículos comerciais assente num chassis Ford Transit equipado com uma mecânica a baterias eléctricas, com vista a alcançarem-se emissões zero.

 

Entre as inovações empregues em matéria de poupança e armazenamento de energia, testadas pela primeira vez, integram-se:

  • Um inovador sistema de bomba de calor que utiliza o calor residual dos componentes da transmissão, o ar exterior e o ar dentro do habitáculo para reduzir, até 65 por cento, o consumo de energia do sistema de aquecimento, resultando numa extensão de autonomia na ordem dos 20 por cento;
  • Uma porta deslizante eléctrica que abre até meio para reduzir as perdas de calor e que pode ser activada pelo passageiro, usando um dispositivo inteligente. Os ventiladores de aquecimento, ventilação e ar condicionado são desativados automaticamente sempre que a porta esteja aberta;
  • Bancos de passageiros e superfícies, de classe executiva, aquecidos, permitindo aos passageiros controlar a sua temperatura local, reduzindo a energia necessária para a totalidade da cabina;
  • Seis painéis solares, montados no tejadilho, que recarregam uma bateria de 12 volts destinada a alimentar o sistema de aquecimento dos bancos eléctricos, a iluminação da cabina e os sistemas eléctricos de bordo, incluindo o sistema de carregamento wireless para dispositivos móveis;
  • Uma divisória em policarbonato entre a porta do passageiro e a área de estar que reduz, ainda mais, as perdas de calor decorrentes das entradas e saídas de passageiros, ao mesmo tempo que os protege dos elementos externos;
  • Vidros ventilados, com dupla camada de protecção, que reduzem as superfícies de contato frias, isolando contra perdas de calor;
  • Iluminação ambiente que se ajusta de acordo com a temperatura da cabina – de vermelho do aquecimento até azul para arrefecimento – quase não influenciando a percepção dos passageiros para com a temperatura de cabina;
  • Isolamento do piso traseiro e do tejadilho complementam a ajuda na redução nas perdas de calor da cabina.

 

O condutor pode controlar o estado da temperatura de todos os bancos dos passageiros, a partir de um ecrã do tipo tablet que está instalado na consola central, o qual também apresenta um resumo das poupanças energéticas. Dois ecrãs montados atrás do condutor permitem aos passageiros acompanhar a localização geográfica do veículo, encontrar pontos de interesse e aceder a notícias e actualizações meteorológicas.

 

Estão planeadas futuras iteracções deste concept de modo a permitir ao condutor controlar o aquecimento e arrefecimento individual de cada banco e desactivar o sistema em lugares que não estejam ocupados. Estará também disponível a detecção automática de passageiros, solução inspirada nas actuais tecnologias de implantação de airbags.

 

A Ford prevê iniciar os testes de estrada com a Transit Smart Energy Concept no decurso do presente ano, logo após terminar os testes em túnel de vento, uma vez que a companhia pretende desenvolver novas estratégias com vista a melhorar a performance e a autonomia dos veículos electrificados. No início do presente ano, a companhia anunciou que todas as gamas de modelos Ford, a partir do novo Focus, iriam incluir uma opção electrificada, decisão que abarca novos modelos e novas versões de modelos existentes. Do Fiesta à Transit, haverá uma versão mild-hybrid, full-hybrid, plug-in hybrid ou 100 por cento eléctrica.

 

Na experiência “Go Further” da semana passada, a Ford anunciou o lançamento de uma Transit van totalmente eléctrica*, com agendamento comercial para 2021, sendo um exemplo de um total de 16 modelos Ford electrificados que ali foram desvendados, grupo onde se inclui o SUV Explorer Plug-In Hybrid, o novo SUV Kuga nas versões EcoBlue Hybrid, Hybrid e Plug-In Hybrid, e a nova Tourneo Custom Plug-In Hybrid de transporte de passageiros.

 

A Transit serve de base à van eléctrica StreetScooter WORK XL operada pela Deutsche Post, produzida em Colónia, sede da Ford Europa (Alemanha). A Ford está ainda a realizar testes com furgões Transit Custom Plug-In Hybrid em Londres (Reino Unido), Colónia e Valência (Espanha), tendo em vista a melhoria da qualidade do ar e o aumento da produtividade.  

 

Previsões de emissões e consumos:

- Explorer Plug-In Hybrid: a partir de 78 g/km de CO2 e de 3,4 l/100 km, respectivamente

- Kuga Plug-In Hybrid: a partir de 29 g/km de CO2 e de 1,2 l/100 km, respectivamente

- Kuga Hybrid: a partir de 130 g/km de CO2 e de 5,6 l/100 km, respectivamente

- Kuga EcoBlue Hybrid: a partir de 132 g/km de CO2 e de 5,0 l/100 km, respectivamente

- Tourneo Custom Plug-In Hybrid a partir de 75 g/km de CO2 e de 3,3 l/100 km, respectivamente

- Transit Custom Plug-In Hybrid: a partir de 75 g/km de CO2 e de 3,3 l/100 km, respectivamente

 

* Os valores oficiais homologados de consumos e emissões de CO2 serão publicados mais perto do início de comercialização.

 

Os Consumos de Combustível/Energia, as emissões de CO2 e as autonomias eléctricas declaradas são medidas de acordo com os requisitos técnicos e especificações da Regulamentação Europeia (CE) 715/2007 e (CE) 692/2008, nas suas mais recentes redacções. Os consumos de combustível e as emissões de CO2 referem-se a uma determinada variante de veículo e não para uma unidade automóvel única. O procedimento do teste padrão aplicado permite a comparação entre diferentes tipos de veículos e fabricantes. Para além da eficiência de consumos de um automóvel, o comportamento ao volante, bem como outros factores não-técnicos desempenham um papel na determinação das emissões de CO2 e dos consumos de combustível de um automóvel. O CO2 é o principal gás responsável pelo aquecimento global.

 

Desde 1 de Setembro de 2017, alguns novos veículos têm vindo a ser certificados de acordo com a norma World Harmonised Light Vehicle Test Procedure (WLTP), segundo a directiva (EU) 2017/1151 na sua mais recente redacção, a qual traduz um novo e mais realístico formato de testes para a medição de consumos e emissões de CO2. A partir de 1 de Setembro de 2018 a norma WLTP começou a substituir a norma New European Drive Cycle (NEDC), procedimento que tem vindo a ser descontinuado. Durante esta Fase de Descontinuação da NEDC, os consumos e emissões de CO2 obtidos segundo a norma WLTP estão a ser comparados com os valores segundo a norma NEDC. Existirão, por essa razão, algumas discrepâncias face à anterior análise de consumos e emissões, pois alguns procedimentos base dos testes sofreram alterações: por exemplo, uma mesma viatura poderá ter diferentes valores de consumos e de emissões de CO2.