Menos 19 por cento de CO2 - o Opel Astra mais eficiente de sempre

A Opel prepara-se para lançar uma nova gama Astra que estabelece novas referências em eficiência e em baixas emissões graças a aerodinâmica apurada e a uma nova linha de motores e transmissões. Por comparação com o anterior modelo, as emissões de CO2 baixam 19 por cento, o que coloca o Astra na linha da frente do segmento.

 

 

Recorde-se que a estreia do Opel Astra, coroada imediatamente com o título de Carro do Ano 2016, já havia inaugurado uma nova era. Nascido de um conceito de baixo peso (menos 200 kg que o antecessor) e dotado de tecnologias avançadas oriundas de segmentos superiores, o Astra colocou bem alta a fasquia nesta classe de automóveis. A Opel dá continuidade a esta estratégia ao equipar o seu modelo compacto com uma nova geração de modernas motorizações a gasolina e a gasóleo.

 

Os novos motores 1.2 e 1.5 de três cilindros apresentam potências que vão de 105 a 145 cv e tornam ambos os Astra de cinco portas e ‘station wagon’ Sports Tourer em recordistas de baixos consumos de combustível e de baixas emissões de CO2(NEDC1: ciclo urbano 6,1-4,5 l/100 km, extraurbano 4,0-3,1 l/100 km, misto 4,8-3,6 l/100 km, 115-96 g/km CO2; WLTP2 misto: 5,9-4,4, 139-117 g/km CO2; dados preliminares).

 

Estes novos motores de três cilindros, construídos em alumínio, destacam-se também pelo funcionamento suave. A ausência de vibrações deve-se, em boa parte, a um veio de equilíbrio que gira em rotação oposta à da cambota. A versão de base surge com caixa manual de seis velocidades. Em opção, o Astra pode ser equipado com caixa automática de nove velocidades.

 

O trabalho meticuloso desenvolvido em túnel de vento resultou num apuramento aerodinâmico que dá contributo decisivo para a redução de consumos e emissões. Na realidade, o Astra surge agora como um dos automóveis compactos mais aerodinâmicos disponíveis no mercado. O coeficiente de apenas 0.25 Cd posiciona a Sports Tourer entre as ‘station wagon’ mais aerodinâmicas do mundo, ao mesmo tempo que a variante de cinco portas se situa entre os melhores ‘hatchback’, com 0.26 Cd.

 

A evolução do Opel Astra no capítulo da aerodinâmica foi obtida com variadas medidas, nomeadamente a inclusão de carenagem no compartimento do motor, braços da suspensão traseira com formato defletor e uma cortina integral na grelha dianteira. As secções superior e inferior da grelha do Astra abrem e fecham automaticamente, de forma independente, conseguindo, assim, otimizar o fluxo de ar. O trabalho realizado sob o automóvel destinou-se, sobretudo, a minimizar a turbulência.

 

O chassis do Astra, que tantos elogios mereceu desde o lançamento do modelo, recebeu novas evoluções. Os amortecedores possuem configuração diferente e melhoram o conforto. Na variante desportiva, a Opel optou por um amortecimento mais ‘duro’, com direção mais direta e ligação Watts no eixo traseiro.

 

Equipado com as mais recentes tecnologias de redução de emissões, como o filtro de partículas GPF nos motores a gasolina e catalisador de redução seletiva nos propulsores Diesel, todos os novos motores do Opel Astra já cumprem a norma de emissões Euro 6d, que entra em vigor em 2021 para veículos novos matriculados.

 

Além da aerodinâmica exemplar e dos motores de última geração, a nova série Astra de 2019 destaca-se também com novas câmaras dianteira e traseira, velocímetro digital e novos sistemas de informação e entretenimento. O dispositivo de chamada de emergência ‘E-Call’ já está a bordo. E o Astra passa a disponibilizar recarregamento por indução de baterias de telemóvel, bem como um sistema de som de alta fidelidade com a assinatura Bose. No exterior, o Astra 2019 apresenta uma nova grelha de efeito 3D.

 

Recordista em eficiência: Astra a gasolina emite menos 19 por cento de CO2

Capazes de desempenhos dinâmicos notáveis, os novos motores sobrealimentados, a gasolina e a gasóleo, sobressaem primeiro pela eficiência exemplar. Para os baixos níveis de consumo de combustível e emissões contribuem também modernas transmissões: uma caixa manual de seis velocidades, uma caixa de variação contínua CVT com sete velocidades programadas e - pela primeira vez na Opel - uma caixa automática de nove velocidades.

 

Os compactos motores a gasolina, com três cilindros, têm cilindradas de 1,2 e 1,4 litros. Com débitos de potência que vão de 110 a 145 cv, e valores de binário máximo de 195 a 236 Nm, alcançam um excelente equilíbrio entre ‘performance’ e eficiência. O Astra 1.2 Turbo surge com caixa manual de seis velocidades enquanto o 1.4 Turbo está disponível exclusivamente com a nova caixa de variação contínua de sete velocidades. Com esta transmissão CVT os condutores podem utilizar o modo automático ou efetuar as mudanças através da alavanca.

 

A integração do coletor de escape arrefecido a água na cabeça do motor permite gerir melhor a temperatura de funcionamento do tratamento de gases de escape, nomeadamente na fase de aquecimento após o arranque a frio.

 

Este é o leque de motorizações a gasolina:

 

Motores a gasolina

 

1.2 Turbo

1.2 Turbo

1.2 Turbo

1.4 Turbo

Potência máxima

110 cv                 a 4500 rpm

130 cv                 a 5500 rpm

145 cv                  a 5500 rpm

145 cv                 a 5500 rpm

Binário máximo

195 Nm a       2000-3500 rpm

225 Nm a       2000-3500 rpm

225 a               2000-3500 rpm

236 Nm a 1500-3500 rpm

Norma de emissões

Euro 6d

Euro 6d

Euro 6d

Euro 6d

Transmissão

manual, 6 vel.

manual, 6 vel.

manual, 6 vel.

CVT, 7 vel.

Consumo de combustível - NEDC1 (dados preliminares, l/100 km)

  • Urbano
  • Extraurbano
  • Misto
  • CO2

5,6-5,4

4,0-3,8

4,6-4,4

105-101 g/km

6,1

4,0

4,8-4,7

110 g/km

Consumo de combustível - WLTP2 (dados preliminares, l/100 km)

  • Misto
  • CO2

5,5-5,2

127-120 g/km

5,9-5,7

136-132 g/km

 

Por comparação com o modelo anterior, os valores de consumo de combustível e de emissões de CO2 das novas versões de 110 cv, 130 cv e 145 cv apresentam reduções de cerca de cinco por cento, 19 por cento e 15 por cento, respetivamente.

 

A rápida resposta ao acelerador, que é uma característica transversal a todos os motores a gasolina da Opel, manifesta-se igualmente nestes novos motores. A um regime de 1500 rpm já surge 90 por cento do binário máximo, que fica disponível em apenas 1,5 segundos depois de pressionado o acelerador a fundo.

 

Alta eficiência: menos de 100 g/km de CO2 no novo Astra turbodiesel

O novo bloco 1.5 turbodiesel de três cilindros apresenta-se em versões de 105 e 122 cv, com binários máximos de 260 Nm e 300 Nm, respetivamente. O sistema de injeção de combustível ‘common rail’ consegue funcionar a pressões até 2000 bar.

 

Esta é a nova gama de motorizações Diesel:

 

Motores Diesel

 

1.5 Turbo D

1.5 Turbo D

1.5 Turbo D

Potência máxima

105 cv                         a 3250 rpm

122 cv                    a 3500 rpm

122 cv                     a  3500 rpm

Binário máximo

260 Nm                        a 1500-2500 rpm

300 Nm                 a 1750-2500 rpm

285 Nm                        a 1500-2750 rpm

Norma de emissões

Euro 6d

Euro 6d

Euro 6d

Transmissão

manual, 6 vel.

manual, 6 vel.

automática, 9 vel.

Consumo de combustível - NEDC1 (dados preliminares, l/100 km)

  • Urbano
  • Extraurbano
  • Misto
  • CO2

4,6-4,5

3,1

3,6

96 g/km

5,5-5,3

3,7-3,5

4,3-4,2

115-110 g/km

Consumo de combustível - WLTP2 (dados preliminares, l/100 km)

  • Misto
  • CO2

4,7-4,4

124-117 g/km

5,3-4,9

139-130 g/km

 

Por comparação com as anteriores versões, os novos motores de 105 cv e 122 cv registam reduções de consumos e de emissões de 17 e 10 por cento, respetivamente.

 

Em vez da transmissão manual de seis velocidades que está acoplada de série a estes motores, o 1.5 Turbo D mais potente pode ser encomendado com caixa automática de nove velocidades - uma estreia no Astra.

 

Os motores turbodiesel da nova série Astra possuem turbocompressor de geometria variável e acionador elétrico. Tal como nos blocos a gasolina, os Diesel também têm veio de equilíbrio e a mesma configuração de coletor de escape integrado na cabeça do motor.

 

O evoluído sistema de tratamento de gases de escape dos novos Astra 1.5 Turbo D conta com catalisador passivo de oxidação, catalisador de redução seletiva SCR com injeção de AdBlue e filtro de partículas Diesel (DPF).

 

Totalmente digital: novas câmaras e velocímetro digital

O Opel Astra oferece uma longa lista de tecnologias avançadas e de sistemas de assistência à condução que não têm rival no segmento. À cabeça dessa lista estão os faróis de matriz de LED IntelliLux, a que se acrescentam dispositivos sofisticados como o programador de velocidade adaptativo, indicador de distância para o veículo da frente, alerta de colisão dianteira iminente com travagem automática de emergência, reconhecimento de sinais de trânsito e sistema ativo de manutenção de faixa, para nomear apenas alguns. Igualmente disponíveis estão os bancos ergonómicos certificados pela AGR, com ventilação e função de massagem. O Astra conta agora com uma nova câmara dianteira de alta definição, bem como uma nova câmara traseira.

 

A nova câmara dianteira tem menores dimensões mas é mais potente, contando com um processador mais rápido. Identifica veículos e peões, conseguindo também distinguir um maior número de sinais de trânsito, exibindo-os no painel de instrumentos. Por seu turno, a nova câmara digital traseira, que está associada ao sistema de informação e entretenimento Multimedia Navi Pro, capta imagens com melhor definição e contraste, nomeadamente no escuro.

 

Os novos sistemas de infoentretenimento Multimedia Radio, Multimedia Navi e Multimedia Navi Pro garantem plena conectividade graças à compatibilidade com Apple CarPlay e Android Auto. Trata-se de dispositivos da mais recente geração, que é mais ‘inteligente’, rápida e intuitiva. Tal como no Insígnia, o topo de gama MultiMedia Navi Pro possui ecrã tátil de oito polegadas e pode também ser comandado através de voz. O sistema de navegação oferece serviços como informações de trânsito em tempo real e atualizações de mapas ‘on line’. O grafismo da navegação é novo, com aparência mais moderna. E o mesmo se aplica ao painel de instrumentos. Na verdade, este é o primeiro Astra com velocímetro digital.

 

Em opção está disponível a função E-Call de chamada de emergência. Em caso de necessidade, o auxílio está à distância de uma simples pressão num botão vermelho. Num acidente, se os tensores dos cintos ou ‘airbags’ são despoletados, o sistema efetua automaticamente a ligação.

 

Carregamento por indução e sistema de som Bose

O conforto é uma prioridade na nova linha Astra. Uma das novas utilidades é o recarregamento por indução de telemóveis. Tudo o que o utilizador tem de fazer é inserir o aparelho numa abertura localizada na consola central.

 

Também novidade é o sistema de som Bose, com sete altifalantes, incluindo um ‘subwoofer’ situado no piso da bagageira. O sistema está configurado para assegurar som de alta fidelidade em qualquer ponto do habitáculo e o amplificador digital faculta a programação de oito perfis de parametrização.

 

A nova série Opel Astra poderá ser encomendada dentro de poucas semanas. As primeiras unidades ficam disponíveis em novembro.

 

[1] Os valores de consumo de combustível e emissões de CO2 mencionados são determinados de acordo com a nova norma WLTP (World Harmonised Light Vehicle Test Procedure), sob o regulamento EU 2017/948 e os dados relevantes são transpostos para NEDC com o objetivo de os tornar comparáveis com outros veículos. Os valores indicados não levam em linha de conta tipos particulares de utilização nem condições de condução, nem equipamento de série e opcional, podendo variar consoante os pneumáticos utilizados. 

[2] Os valores de consumo de combustível e emissões de CO2 mencionados estão de acordo com a homologação WLTP (regulamento EU 2017/948). Desde setembro de 2018, os modelos novos são homologados utilizando a nova norma WLTP (World Harmonised Light Vehicle Test Procedure), a qual se apresenta como um método de teste mais realista para medir consumos de combustível e emissões de CO2. O WLTP substitui integralmente o New European Driving Cycle (NEDC), que era o método utilizado anteriormente. Devido a condições de teste mais realistas, os valores de consumo de combustível e de emissões de CO2 apresentados na norma WLTP são, em muitos casos, mais elevados do que os NEDC. Os valores de consumo de combustível e de emissões de CO2 podem variar consoante o equipamento de série e opcional, e o tipo de pneumático.