Alfa Romeo GP Tipo 159 Alfetta no GP da Grã-Bretanha de F1

A tradicional parada dos condutores realizar-se-á imediatamente antes do início do Grande Prémio da Grã-Bretanha de F1 programado para este fim de semana. A abrir a parada estará o lendário Alfa Romeo GP Tipo 159 "Alfetta", evolução do 158 que venceu o primeiro Grande Prémio na história da F1 (Silverstone, 13 de maio de 1950) pilotado por Nino Farina.

 

 

No domingo, Kimi Räikkönen da Alfa Romeo Racing Team irá conduzi-lo no circuito britânico. A história deste monolugar é extremamente interessante. Pertence à coleção FCA Heritage, departamento dedicado à proteção e promoção da história das marcas italianas da FCA, e está normalmente exposto no Museu Alfa Romeo em Arese - La Macchina del Tempo.

 

Depois da Segunda Guerra Mundial, o desporto automóvel lutou para se reerguer e numerosas marcas competiam já nos Grandes Prémios: a Alfa Romeo, com o seu Tipo 158 "Alfetta", era uma delas. Os automóveis tinham sido construídos em 1938 e tinham, literalmente, sobrevivido ao conflito escondidos numa quinta, sob uma falsa pilha de lenha.


O motor era um inovador oito cilindros em linha em liga leve com duas árvores de cames e turbocompressor Roots. A caixa de velocidades estava integrada no diferencial e montada no eixo traseiro. O débito de potência da primeira versão era de 195 cv.

 

A Alfa conquistou a supremacia em 1947 e 1948, com um constante desenvolvimento das viaturas. Em 1949, a Alfa Romeo retirou-se da competição nos GP e preparava-se para a época de 1950, quando foi planeado o primeiro Campeonato Mundial de Fórmula 1. A potência foi aumentada para 350 cv a 8500 rpm, chegando a velocidade a 290 km/h. A primeira prova realizou-se em Silverstone: a par de Farina, Fangio e Fagioli (afetuosamente conhecida como a equipa do três "F"), alinhava uma quarta viatura entregue a Reg Parnell, que acabou em terceiro lugar, atrás de Fagioli e do vencedor Farina. Com 11 vitórias em 11 provas, Nino Farina conquistou o primeiro Campeonato Mundial de F1, à frente dos companheiros de equipa Fangio e Fagioli.

 

Na época de 1951, a Alfa Romeo decidiu competir com uma evolução do 158. A viatura foi submetida a uma remodelação tão radical que recebeu o nome de GP Tipo 159. O motor debitava 425 cv de potência às 9300 rpm, com picos de 450 cv e velocidade máxima superior a 300 km/h. A transmissão e os travões tinham sido convenientemente otimizados. Antes da última prova, Farina tinha conseguido duas vitórias e Fangio três. Ao vencer o GP de Espanha, o argentino sagrou-se Campeão do Mundo.

 

Na época de 1952, a Alfa Romeo decidiu retirar-se, invicta, da competição nos GP.

 

1951 GP Tipo 159 "Alfetta" - Caraterísticas

Motor: oito cilindros em linha, bloco duplo e cabeças fixas em liga leve, duas válvulas por cilindro, DOHC (distribuição por duas árvores de cames à cabeça) acionada por engrenagens. Um carburador de triplo corpo, dois compressores de dois estágios. 1479 cm3 (58x70 mm). 425 cv a 9300 rpm.


Suspensão: Dianteira independente, braços oscilantes, mola de lâmina transversal, amortecedores hidráulicos e por atrito. Traseira independente, eixo DeDion, braços oscilantes, mola de lâmina transversal, amortecedores hidráulicos e por atrito.


Peso: 710 kg


Velocidade máxima: 305 km/h


Unidades produzidas: 4 (Tipo 158 modificado)