Dacia com resultados recorde em Portugal em 2022 e a marca preferida dos clientes particulares

O ano de 2022 foi extraordinário para a Dacia, em Portugal. A marca do Grupo Renault conquistou uma quota de mercado recorde e foi a líder de vendas a clientes particulares, com o Sandero e o Duster a serem os dois modelos preferidos dos portugueses. Quatorze anos depois de ter chegado ao país (foi a 24 de abril de 2008), a Dacia conquistou o estatuto da marca preferida dos clientes particulares portugueses, com uma quota de mercado recorde de 18,8%.

 

Ou seja, quando chegou a altura de comprar um automóvel, praticamente um em cada cinco portugueses escolheu um Dacia! Um resultado histórico, que só foi possível pela extraordinária aceitação que toda a gama teve no mercado, do Spring ao Jogger, mas mais ainda com os modelos Sandero e Duster. O primeiro foi o líder de vendas a clientes particulares e o 2º mais vendido no mercado total, enquanto o Duster foi o 2º mais vendido a clientes particulares (logo atrás do Sandero), o 9º mais vendido a nível global e o 1º mais vendido no segmento C e sub-segmento C-SUV.

 

Mas para além dos resultados comerciais com clientes particulares, a Dacia foi a 6ª marca mais vendida do mercado total, em Portugal, com 10.279 unidades, o correspondente a uma quota de mercado recorde de 5,7% - cerca de +70% comparativamente a 2021, o maior crescimento da história da marca e a que mais cresceu do mercado, pese embora, as produções ainda terem sido condicionadas pela escassez de semicondutores.

 

Curioso o facto de, 23% das 10.279 unidades comercializadas pela Dacia, ter tido como como origem o digital, consequência da estratégia da marca em se afirmar cada vez mais neste canal.

 

Apesar do sucesso comercial da Dacia ter sido transversal a toda a gama, destaque para o Dacia Sandero. O automóvel líder de vendas a clientes particulares e o segundo do mercado total, com 5.100 unidades, mais 46% do que em 2021. Um resultado extraordinário, tendo em conta que é alcançado num mercado maioritariamente sustentado em clientes frotistas. O modelo representou cerca de 50% das vendas totais da marca no país e quase 70% referente à versão Sandero Stepway. Os motores a gasolina foram a opção de 59% dos clientes do Sandero, enquanto 41% optaram pela motorização Bi-Fuel (gasolina + GPL)

 

Com 3.100 unidades vendidas, mais 72% do que em 2021, o Dacia Duster foi o segundo modelo mais vendido a clientes particulares (logo atrás do Sandero), o 9º mais vendido a nível global e o líder de vendas no segmento C e sub-segmento dos C- SUV. Um produto que concilia, como nenhum outro, a vocação citadina e o “fora de estrada”, com as versões 4x4 perfeitamente adaptadas ao todo terreno, a serem responsáveis por 8% das vendas, em 2022, apesar de penalizado pelo sistema de portagens nacional, que faz com que seja classificado como classe 2. Curiosamente, o motor Bi-Fuel recolheu a preferência dos portugueses, com 45% das vendas, enquanto as propostas a gasolina e a diesel foram, respetivamente, a opção de 33% e 22% dos clientes.

 

Apesar da entrega das primeiras unidades só ter começado no final do primeiro trimestre de 2022, o Dacia Jogger foi o monovolume do segmento C mais vendido, com um total de 960 unidades. Uma proposta inédita no mercado, por reunir o melhor de três segmentos: o comprimento de uma carrinha, o espaço de um monovolume com capacidade até 7 passageiros e a aparência de um SUV, mas com a versatilidade de um “canivete suíço”. A motorização Bi-Fuel foi a opção de cerca de 80% dos portugueses.

 

No primeiro ano completo de comercialização, o Dacia Spring conseguiu a proeza de ser o automóvel elétrico mais vendido a particulares, com 360 unidades (mais do dobro do segundo mais vendido), para além de ter sido o 3º mais vendido do segmento A e o 5º elétrico preferido dos portugueses. Com 780 unidades comercializadas (+190% em relação a 2021), o modelo assumiu-se, definitivamente, como o símbolo da democratização da mobilidade elétrica. Um SUV compacto, de vocação essencialmente urbana (mas não só), surpreendente na agilidade, na robustez, no espaço que proporciona aos quatro passageiros e nos reduzidíssimos custos de utilização

 

Versões mais equipadas são as preferidas dos portugueses

Em 2022, sensivelmente 70% dos portugueses preferiam as versões mais ricas em equipamento, quando processaram as encomendas dos seus Dacia.

 

DACIA LÍDER TAMBÉM NO SEGMENTO DOS BI-FUEL

No segmento dos automóveis movidos a Bi-Fuel (GPL+Gasolina), a Dacia foi a líder de vendas incontestada, enquanto o motor ECO-G 100 Bi-Fuel foi responsável por mais de 40% das vendas dos modelos Sandero e Duster.

 

MAIS LANÇAMENTOS EM 2023

Para a DACIA Portugal, o ano de 2023 ficará marcado pelo lançamento do inédito Dacia Jogger Hybrid 140, o primeiro híbrido da marca, bem como pela chegada ao mercado do Dacia Spring Extreme de 65 cavalos e do Dacia Duster Cargo, uma versão comercial ligeira do popular SUV. Enquanto isso, continuará a ser implementada a nova e arrojada identidade de marca em toda a Rede de Concessionários.

 

“O ano de 2022 foi absolutamente extraordinário, com conquistas inéditas para a Dacia. Em menos de dois anos de beneficiar de uma estrutura e equipa independentes no seio do Grupo Renault Portugal, conseguimos ser a marca preferida dos clientes particulares portugueses e com uma quota de mercado recorde. É um motivo de enorme orgulho para as nossas equipas! A Rede de Concessionários está de parabéns, já que é a eles que este resultado também se deve.”

 

“Para 2023, os objetivos passam pela consolidação da marca, com uma imagem totalmente renovada, apostando em soluções de mobilidade e serviços, o que permitirá continuar o crescimento sustentável. Estamos na expetativa de que o Governo lance um Plano de Incentivo ao Abate destinado a particulares. Uma medida que urge ser tomada, na medida em que, os últimos dados, revelam que o parque automóvel rolante em Portugal tem quase 14 anos de idadee que, em média, abatem-se os automóveis aos 24 anos de idade. Numa altura que tanto se fala na transição para uma mobilidade mais ecológica, este plano será determinante para a concretização desse objetivo.”  José Pedro Neves, Diretor Geral da Dacia Portugal